No Connecting Software, não usamos capital de risco ou crédito

Link para Líderes

Descarregar PDF
Artigo original

Entrevista de Thomas Berndorfer, CEO do Connecting Software

  1. Como e quando você teve a idéia de criar o Connecting Software?

A ideia do Connecting Software ou do Connect Bridge nasceu em 2009. Quando tínhamos uma empresa de serviços e pensamos em como nos tornarmos uma empresa de produtos. Nós realmente planejamos no greenfield o produto com base nas exigências do mercado. Na maioria das vezes você constrói produtos em projetos. Mas nós identificamos a área de integração de software como um bom lugar para fazer um produto. Queríamos torná-lo mais fácil e rápido para que todos os projetos de TI pudessem ser feitos cada vez melhor e mais rapidamente.

Após uma fase de design, começamos a desenvolver em 2010 e começamos a vender o produto em 2011.

2. Que oportunidades encontrou na Madeira?

A Madeira é um lugar perfeito para trabalhar e para viver. Em muitas áreas é preciso ir de férias a outros lugares para se sentir bem. Aqui tem condições de trabalho perfeitas e condições de vida perfeitas. Então os madeirenses estão felizes por trabalhar na ilha. Muitos tiveram de sair da Madeira para encontrar trabalho. Isto ajuda a criar uma boa ligação com a equipa local e também procuramos especialistas internacionais que estejam a completar as nossas competências necessárias.

3. Quais foram os maiores desafios que você encontrou ao longo do caminho?

Há sempre grandes desafios, mas no início era muito mais difícil. Não temos nenhum capital de risco nem créditos. Financiamos tudo por nós mesmos e era hora de equilibrar a transformação de uma empresa de serviços para uma empresa de produtos. Aqui você tem diferentes atitudes, precisa de diferentes habilidades e compreensão. Depois houve a tarefa de ter uma empresa em dois locais, é necessário dar a todos uma boa sensação com estas mudanças. Outro grande desafio foi encontrar a maneira certa de vender a plataforma e as soluções. Começamos com as vendas clássicas e desenvolvemos uma nova forma de experiência digital para vender apenas pela internet. Para isso é preciso adaptar-se aos requisitos e às questões com confiança e credibilidade. Fizemo-lo de uma boa forma para que todos possam testar facilmente os nossos produtos bastante complexos. Tornamo-los fáceis de implementar, fáceis de compreender e fáceis de experimentar.

4. Você lançou a empresa com o seu próprio dinheiro? Quanto é que investiu até agora?

Sim, o Connecting Software foi totalmente auto-financiado e na sua maioria financiado através de outras empresas irmãs. Nós não usamos capital de risco ou crédito. No total, cerca de 4 milhões de euros nos primeiros 8 anos. Ficámos felizes por termos encontrado os primeiros clientes rapidamente e crescemos de forma constante.

5. Como é que a pandemia afectou o negócio do Connecting Software?

Nas primeiras semanas foi um choque e eu fiquei muito assustada com todas as consequências. Tivemos de entrar em isolamento e no escritório em casa. Eu não sou amigo disso, pois perdemos contato um com o outro e vejo o trabalho como um esforço de equipe. Nós ganhamos juntos, perdemos juntos. Mas foi muito fácil. Perdemos um pouco de produtividade e, assim que foi possível, reabrimos o escritório. Com base nisso, tivemos um pouco de flutuação à medida que as pessoas se distraem mais facilmente da visão. Mas, no geral, sobrevivemos melhor do que o esperado. Do ponto de vista das receitas e do crescimento, 2020 foi um ano de sucesso. É triste que tantas outras filiais tenham estes problemas, mas para nós também trouxe boas pessoas novas, que viram que apenas trabalhar não é suficiente para ser feliz.

6. Como foi 2020 para a empresa, nomeadamente em termos de receitas?

Crescemos cerca de 20% no grupo e cerca de 30% com os produtos de software de conexão.

7. Qual tem sido a importância de organizações como o Centro Internacional de Negócios da Madeira e o Startup Madeira para o Connecting Software?

Portanto, não tivemos muita interação com o Centro Internacional de Negócios, mas com a Startup madeira tivemos muito contato. Alugamos nosso primeiro escritório lá e recebemos muitas dicas e truques deles. Sem a Startup Madeira não iríamos tão longe na localização portuguesa.

8. Quantos escritórios você tem neste momento e qual é o de maior impacto em termos de receita da empresa?

Actualmente temos 4 localizações, a Madeira está a crescer mais rapidamente, mas dizer qual delas é a mais importante não é justo. Trabalhamos em equipa e somos todos parte do sucesso ou da perda. Como a equipa de vendas e marketing está principalmente na Madeira, pode-se dizer que a importância é maior nesta área, mas o desenvolvimento e administração do núcleo também é importante.

9. Quem são os clientes do Connecting Software?

Temos clientes em todo o mundo, em qualquer indústria ou tamanho. Servimos empresas globais, bem como departamentos nacionais em mais de 7 países. Estamos muito felizes em apoiar o governo canadense e algumas das maiores empresas do mundo. Mas também temos clientes muito pequenos. Só para deixar cair alguns nomes: Organizações governamentais em: Canadá, EUA, Irlanda, Inglaterra, Holanda, Alemanha, Singapura, Austrália e Nova Zelândia, no sector privado que servimos: E.ON, ZF, Henkel, Infineon, Disney, Thyssen Krupp, Realogic e muitas outras. Ao todo, mais de 1000 clientes em todo o mundo estão a receber soluções da nossa parte.

10. Como é trabalhar a partir de uma ilha no meio do Atlântico e chegar a clientes em todo o mundo?

É simplesmente fantástico. Estamos motivados e felizes por estar aqui e poder fazer coisas fantásticas depois do trabalho ou no fim-de-semana. Uma coisa fantástica nestes dias é que você nem sempre precisa ser físico com seu cliente, mas você pode lidar com eles pela internet. Estamos felizes por ter tantas culturas diferentes no monitor todos os dias e por aprender com as suas necessidades e a sua cultura empresarial.

11. Quais são as grandes diferenças entre as geografias onde você está presente a nível empresarial e estratégico?

Estas são perguntas muito boas. Mas eu sempre digo ao povo que em países dominados pelo inglês o povo é muito educado e nunca o criticaria. Mesmo que eles sejam infelizes, não lhe darão um feedback negativo, na Europa Oriental dominam países que têm clientes felizes quando eles não estão reclamando. Eles nunca lhe darão bons elogios. Portanto, você tem que desenvolver uma sensibilidade para diferentes abordagens. A língua portuguesa é muito educada, mas não muito exacta ou concreta. Na comunicação por vezes os aspectos emocionais são mais importantes do que os relacionados com os negócios. Assim, com países mais frios (Escandinávia, Alemanha, EUA) você chega mais direto ao ponto em países mais quentes, você fala muito sobre outros tópicos. Encontrar aqui o equilíbrio certo é uma aventura e torna muito divertido.

12. Em que produtos/serviços a empresa está apostando para este ano?

Estamos tentando ir este ano, ao lado de nossos produtos padrão, em duas áreas estratégicas: Temos uma solução única da Indústria 4.0 onde podemos facilmente conectar a Indústria com o software empresarial. A outra coisa que é ainda maior é a nossa abordagem Blockchain. Somos especialistas na área de selos digitais blockchain. Isto significa que podemos fazer qualquer selagem de arquivo digital e, portanto, torná-lo inviolável. Esta é uma tecnologia realmente disruptiva e nós nos vemos muito à frente do mercado. Aqui estamos novamente na nossa área de integração de software e aqui podemos proteger com a tecnologia de cadeias de bloqueios muitas coisas contra adulteração e fraude. O potencial aqui é extremamente alto e pode ser uma tecnologia que muda o jogo. Já temos patentes pendentes nesta área e até agora não vimos nenhuma outra empresa que possa fazer soluções como esta.

13. Como você vê o Connecting Software em um ano?

Mais um ano à frente, crescendo novamente 30% , atingindo mais de 50 funcionários, conseguindo mais alguns países grandes como clientes e revolucionando a tecnologia Blockchain na área de software de negócios e Indústria 4.0

14. Você tem algum projeto novo em sua mente para o futuro? Pode falar-nos um pouco sobre eles?

Este ano, vamos criar um par de produtos padrão na área de selagem Blockchain. A segurança é outra área onde talvez estejamos em breve obtendo um pedido de um país que aumentará a comunicação segura com software fora das redes seguras. Mas isto é uma espécie de coisa secreta, por isso não vou falar muito sobre isso.

15. É a primeira vez que você lança seu próprio negócio? É fácil ser um empresário em Portugal?

Sou empresário desde há 24 anos em mais de 4 países. Não é fácil lançar um negócio em qualquer lugar. Temos aqui alguns benefícios muito bons na Madeira, temos também algumas grandes desvantagens. Por um lado a Madeira será cada vez mais atractiva como hotspot digital, por outro lado existem departamentos do sector público, por exemplo, alfândegas que vivem ainda no último milénio. Parte da lei da UE viola a lei para obter um pequeno benefício do outro lado impede os empresários e as pessoas de vir gastar dinheiro em Portugal. Isto acontece em qualquer parte do mundo. Mas as pessoas na Madeira e em Portugal são pessoas muito simpáticas e simpáticas e eu encontrei aqui bons amigos e não me arrependo de ter vindo aqui até agora.

Perguntas rápidas:

Maior risco

Socialistas e a guerra

O maior erro

Para jogar em mercados complicados

Maior lição

O negócio não é tudo

A maior conquista

Ser um empresário de sucesso, um bom pai e um amigo leal para muitas pessoas nos negócios e em privado, sendo eu abençoado por poder trabalhar e viver na Madeira


Diário de Notícias da Madeira
27 de novembro de 2020

Vida Económica
12 de julho de 2020

Revista Enterprise Security
1 de maio de 2020